(49) 3436.0600 | (49) 3436.0671
clam@clam.ind.br

NOTÍCIAS

04/02

Consumo de frango aumenta, mas produtores reclamam de concorrência.

Granjeiros de São Carlos afirmam que concorrem com Centro-Oeste e Sul. Elevação de 17,21% no preço da carne bovina estimulou mudança de hábito.

A alta do preço da carne vermelha está estimulando o consumo de frango em São Carlos (SP). Mas o crescimento de até 45% da demanda em alguns supermercados não deve implicar em bons resultados para os produtores da região porque muito do que é consumido nas cidades próximas vem de outros Estados.

De acordo com a Associação Paulista de Supermercados (Apas), a carne bovina subiu 17,21% na comparação com o ano passado e o preço do frango ficou estável. Com isso, mesmo o coxão duro chega a ser vendido por quase R$ 10 o kg, enquanto o kg da coxa de frango pode ser comprado por menos de R$ 4.

"O acém está R$ 12 e o frango está R$ 6,90, então não tem nem sentido comprar carne de vaca", comentou o fotógrafo José João em um supermercado da cidade. "O frango está mais barato. A carne está muito cara, está de arrepiar o cabelo", completou o artista plástico Luís Paulo Lancelotti.

Mas se engana quem pensa que os produtores de frango do Estado de São Paulo comemoram o bom momento. Eles estão perdendo mercado para empresas das regiões Centro-Oeste e Sul, que se beneficiam da proximidade com plantações de milho e soja, principais componentes da ração usada para alimentar os animais. "Fica mais fácil o produtor produzir frango lá em Goiás, no Mato Grosso ou no Paraná, onde tem a produção de grãos, do que trazer a ração", explicou o engenheiro agrônomo Eunízio Malaguti.

A competição já tirou alguns produtores do mercado e os que continuam na atividade temem o risco de falta de energia, por conta do baixo nível nos reservatórios das hidrelétricas, e de água para a manutenção das granjas. "Nós vamos ter que investir em um poço porque nossas águas diminuíram, para poder manter a capacidade. Está difícil, estamos labutando para sobreviver", comentou o empresário Cássio Roberto Martins.

Fonte: aviculturaindustrial

Veja Também